top of page

PUBLICIDADE

educacao.gif

Notícias

Caxias: Princesa do Sertão Maranhense



Caxias, Princesa do Sertão Maranhense, única cidade do Brasil eternizada nos dois principais símbolos do país: a Bandeira e o Hino Nacional Brasileiro.

Por Wybson Carvalho

Imagens: David Sousa

Caxias, eternizada em dois dos principais símbolos nacionais: o Hino Nacional Brasileiro; com os versos do poema “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias em homenagem a sua terra - “Nossos bosques têm mais vida/ nossa vida mais amores”, e, ainda, A Bandeira Brasileira foi idealizada pelo caxiense, Raimundo Teixeira Mendes, também autor da insígnia “Ordem e Progresso”, que vem da Igreja Positivista brasileira e tem raízes em movimentos franceses. A insígnia foi extraída do Lema escrito pelo filósofo caxiense; “O povo brasileiro assim como os povos ocidentais acha-se vivamente solicitados por duas necessidades, ambas imperiosas e que se resumem em duas palavras: Ordem e Progresso”.


A cidade e seu povo possuem uma rica diversidade cultural; destacando-se a literatura, com diversos aparelhos literários e culturais, dentre os quais: ACL, IHGC, ASLEAMA, MEMBALAI, e, também, o acervo arquitetônico com igrejas dos séculos XVIII e XIX, e, ainda, monumentos marcantes de sua imperiosa história; como a resistência à Independência, bem como; as manifestações espontâneas da cultura popular e as riquezas naturais que, na Princesa do Sertão Maranhense, são fontes saudáveis e aprazíveis de bem-estar, lazer, beleza e encanto. Visitar Caxias e passear pelos logradouros e vias públicas de Caxias é vivenciar cenários históricos do nosso Brasil.

A história de Caxias começa, no século XVII, com o Movimento de Entradas e Bandeiras ao interior maranhense para o reconhecimento e ocupação das terras às margens do Rio Itapecuru, durante a invasão francesa no Maranhão, principalmente, com o trabalho valoroso dos missionários religiosos em busca de almas para a fé cristã.


O local onde se acha situada a bela cidade de Caxias foi, primitivamente, um agregado de grandes aldeias dos índios Timbiras e Gamelas que conviviam pacificamente com os franceses. Porém, com a expulsão dos franceses do Maranhão, em 1615, os portugueses reduziram tais aldeias à condição de subjugadas e venderam suas populações, como escravos, ao povo de São Luís.


Várias denominações foram impostas ao lugar, dentre as quais: Guanaré - denominação indígena -, São José das Aldeias Altas, Freguesia das Aldeias Altas, Arraial das Aldeias Altas, Vila de Caxias e, finalmente, através da Lei Provincial, número 24, datada de 05 de julho de 1836, fora elevado à categoria de cidade com a denominação de Caxias. Foi na Igreja de São Benedito que, em 1858, o antístite da Igreja Maranhense, Dom Manoel Joaquim da Silveira, denominou Caxias com o título: “A Princesa do Sertão Maranhense”.


É bom lembrar que, ao contrário do que muita gente pensa, o nome Caxias não se atribui a Luís Alves de Lima e Silva, patrono do Exército Brasileiro. Ele, sim, recebeu o título Barão de Caxias, por ter sufocado a maior revolução social existente no Estado do Maranhão: a Balaiada. A cidade de Caxias foi palco da última batalha do movimento. Posteriormente, já em terras do Rio de Janeiro, o Barão de Caxias foi condecorado, novamente, com o título de Duque de Caxias.


Geralmente quando os portugueses criavam, num lugar, uma Vila, mudavam-lhe o nome, às vezes criando uma homônima do Reino nas Colônias. Inicialmente, a grafia “Cachias” viera de Portugal, que se refere a uma excelente Quinta Real que existia nos arredores de Lisboa perto de Oeiras (Portugal) outra bonita quinta do Márquez de Pombal, que era também residência real. Nessa área existia uma estação de caminho de ferro de Cascaes, onde cascaes é lugar que tem uma estação balneária, com água excelente e caldas térmicas muito procuradas para o tratamento de paralisias e reumatismo.


Situada na meso-região do leste maranhense e na micro-região do Itapecuru, Caxias tem uma área de 5.313.10 Km² dentre os 333.365,00 Km² do Estado e está a 365 quilômetros da capital do Maranhão, São Luis, e uma população de, aproximadamente, 162 mil habitantes. Geograficamente, em relação ao território nacional, o município de Caxias está localizado na região Nordeste do Brasil, Oeste do Norte Brasileiro e a Leste do Estado do Maranhão.


Delimitada, a atual área do município equivale somente a 45,45% da área original de 11.691 Km², antes das emancipações de Timon, Aldeias Altas, Coelho Neto, Codó, São João do Sóter. É limitada; ao norte pelos municípios de Codó, Aldeias Altas e Coelho Neto; ao sul pelos municípios de São João do Sóter, Governador Eugênio Barros, Parnarama, Matões, e Timon; ao leste pelo Estado do Piauí; a oeste pelos municípios de Buriti Bravo e Gonçalves Dias.

“Devemos, pois, pugnar por essas características, e, sobretudo, pelo cunho cívico de amor à nossa terra.”


Para o orgulho de todos caxienses, a cidade de Caxias está eternizada pelos seus filhos: o poeta, Antônio Gonçalves Dias, e o filósofo, Raimundo Teixeira Mendes, em dois dos principais símbolos nacionais: o Hino Nacional Brasileiro e a Bandeira Nacional Brasileira, respectivamente.


No Hino Nacional Brasileiro, há em uma das suas estrofes dois versos do poeta Gonçalves Dias:



“Nossos bosques têm mais vida,


Nossa vida em teu seio mais amores.”


Na Bandeira Nacional Brasileira, há a insígnia no centro extraída do Lema Positivista escrito pelo seu idealizador e filósofo caxiense Teixeira Mendes:


“O povo brasileiro assim como a maioria dos povos ocidentais acha-se urgentemente solicitado por duas necessidades, ambas imperiosas e que se resumem em duas palavras:


“ORDEM E PROGRESSO”.


A cidade de Caxias que foi berço de brasileiros ilustres, como Gonçalves Dias, do famoso poema das palmeiras e dos sabiás, e a Canção do Exílio; Teófilo Dias; Coelho Neto; Raimundo Teixeira Mendes; César Marques e Vespasiano Ramos, é um dos maiores centros econômicos do Estado graças a seu grande desempenho nos setores da indústria e um importante centro político cultural e populacional do Maranhão.


Tem uma arquitetura herdada dom século XIX e início do século XX no estilo português, ainda conservando boa parte de seu patrimônio histórico. Conhecida como “terra das águas cristalinas”, destaca-se como uma cidade portadora de futuro, tendo em vista que em seu entorno encontram-se vários municípios e por localiza-se em uma região que possui um manancial composto do Rio Itapecuru e seus afluentes, o que favorece o crescimento da indústria, do agronegócio e do turismo.


Caxias mantém sua vocação agrícola, cultivando arroz, mandioca, milho, cana-de-açúcar, entre outros. Predomina a criação bovina, suína e de aves, e os produtos exportados são arroz, óleo e amêndoa de babaçu, sabão em barra e os produtos da Schincariol, que tem uma fábrica no município.


Atrativos turísticos


Ao visitar Caxias, não deixe de conhecer as Igrejas e Capelas, a exemplo da São Benedito, Nossa Senhora de Nazaré, da Matriz, Catedral de Nossa Senhora dos Remédios e Nossa Senhora dos Pretos. Todas no estilo Barroco e ricamente ornamentadas. Ostentam altares, imagens e pinturas sacras criadas pelos melhores artistas da época de suas construções.


O visitante também não pode deixar de incluir no roteiro uma visita às praças de Caxias, a exemplo da Panteon, onde existem vários bustos de personalidades caxienses.



0 comentário

Comentarios


site_marencanto.png
Senai_Futuro_Digital.jpg
site_marencanto.png
WebBanner_300x300_Buriti.jpg
bottom of page